SEJAM BEM-VINDOS

ALMANAQUE "PRIDIE KALENDAS" 

"Para os que se apóiam no infinito sustentador, o dia de hoje está repleto de bênçãos" - MBE

DIFICULDADES NA ESCUTA DAS PÁGINAS? FAVOR ENTRAR EM CONTATO!A PÁGINA PARA OUVIR (Para tirar o som, tecle Esc)

Gif simulando uma nota musical!Música de fundo:unforge.mid


COMPUTADOR FALANTE (PORTUGAL)


Universidade de Aveiro cria computador falante


A Universidade de Aveiro está desenvolvendo um programa de computador capaz de produzir voz em português e nas diversas variantes regionais. 

O programa recorre a ondas sonoras, com um sintetizador articulatório e pode ser aplicado a diversas tarefas.

Os investigadores do projeto dizem que o sistema pode ser aplicado a várias tarefas relacionadas com a transmissão e acesso a informações, como a leitura de informação apresentada num monitor ou a navegação
na Internet para deficientes visuais.

O ensino de línguas assistido por computador, a terapia da fala ou um
sistema de tradução automática podem ter outras utilidades deste sistema, que envolve especialistas das áreas de fonética, sintaxe, morfologia, processamento de sinal, ciências da computação e de
medicina.

O sintetizador usado baseia-se na «modelação direta dos processos de
produção usados pelo ser humano, simulando os movimentos da língua, maxilar e cordas vocais e o funcionamento das cavidades nasais e a
propagação e radiação do som, pelo que pode produzir várias vozes diferentes «com qualidade aceitável».

A equipe  de investigação de Aveiro explica que o sistema «ainda não
consegue produzir todos os sons do Português, como as fricativas e
também não é capaz de fazer a conversão de texto para voz».

Nesta altura, a maior dificuldade prende-se com os sons nasais do
português, porque são «sons característicos e apresentam dificuldades
acrescidas de análise. São uma área pouco conhecida e pouco
explorada. O grande desafio do projeto é de fato a grande variedade
da língua», sublinham os investigadores da Universidade de Aveiro.

Enquanto decorrem as gravações para apoiar o desenvolvimento deste
projeto, foram já iniciados os módulos de processamento lingüístico
para que o sistema possa vir a produzir voz a partir de texto
escrito.
 


ALTERAÇÕES À GRAFIA BRAILLE PARA A LÍNGUA PORTUGUESA

Nota Oficial da Comissão Brasileira do Braille (CBB)

A transcrição desta obra deverá estar de acordo com a "Grafia Braille
para a Língua Portuguesa -- Braille Integral", constante da publicação
CDU 376.352, editada em tinta e em Braille pelo Ministério da Educação e
aprovada pela Portaria Ministerial n. 2679, de 26 de setembro de 2002,
com vigência a partir de 01 de janeiro de 2003.

O referido documento foi elaborado pela Comissão Brasileira do Braille
e pela Comissão de Braille de Portugal após prolongados e criteriosos
estudos técnicos.

No final desta nota você encontrará uma listagem com símbolos
estabelecidos pela "Grafia".

A maioria deles já é do seu conhecimento, mas existem alterações e
alguns símbolos novos.

As alterações e a adoção de novos símbolos basearam-se principalmente
nos seguintes critérios:
1. Ajustar a grafia básica a novas necessidades da representação
Braille.
2. Adequar a escrita Braille à modificações realizadas nas
representações gráficas decorrentes do avanço científico e tecnológico e
do emprego cada vez mais freqüente da informática.
3. Evitar a duplicidade de representação de símbolos Braille.
4. Ajustar a grafia básica, considerando o "Código Matemático
Unificado" (CMU), adotado no Brasil desde 1997.
5. Garantir a qualidade da transcrição de textos para o Sistema
Braille, especialmente dos livros didáticos.
6. Favorecer o intercâmbio entre pessoas cegas e instituições de
diferentes países de Língua Oficial Portuguesa.

Atender às recomendações da União Mundial de Cegos (UMC) e da UNESCO
quanto à unificação das grafias por grupos lingüísticos.

Em caso de dúvida, você poderá consultar a "Grafia Braille para a Língua
Portuguesa", em cujo texto encontrará todos os símbolos adotados, as
respectivas normas de aplicação e diversos exemplos ilustrativos.

A seguir, listagem de símbolos adotados pela "Grafia".

Tabela: Item inicial é o número correspondente a célula Braille, em
seguida seu valor.

2 vírgula
2 3 ponto-e-vírgula
2 5 dois-pontos
3 ponto ou apóstrofo
2 6 ponto de interrogação
2 3 5 ponto de exclamação
3 3 3 reticências
3 6 hífen ou traço de união
3 6 3 6 travessão
2 4 6 1 3 5 círculo
1 2 6 abre parênteses numérico
3 4 5 fecha parênteses numérico
1 2 6 3 abre parênteses literal
6 3 4 5 fecha parênteses literal
1 2 3 5 6 abre colchetes/ chaveta numérico
2 3 4 5 6 fecha colchetes /chaveta numérico
1 2 3 5 6 3 abre colchetes / chaveta literal
6 2 3 4 5 6 fecha colchetes /chaveta literal
2 3 6 abre e fecha aspas, vírgulas altas ou comas
6 2 3 6 abre e fecha aspas angulares
5 6 2 3 6 abre e fecha outras variantes de aspas (aspas simples, por
exemplo)
3 5 asterisco
1 2 3 4 6 "e" comercial &
6 2 barra
4 5 6 barra vertical
2 5 1 3 5 seta para a direita
2 4 6 2 5 seta para a esquerda
2 4 6 2 5 1 3 5 seta de duplo sentido
4 1 5 euro
5 6 cifrão
4 5 6 3 5 6 por cento
4 5 6 3 5 6 3 5 6 por mil
2 3 4 2 3 4 parágrafo(s) jurídico(s)
2 3 5 mais
3 6 menos
2 3 6 multiplicado por
2 5 6 dividido por, traço de fração
2 3 5 6 igual a
5 2 5 6 traço de fração
1 3 5 maior que
2 4 6 menor que
3 5 6 grau(s)
1 2 5 6 minuto(s)
1 2 5 6 1 2 5 6 segundo(s)
4 6 sinal de maiúscula
4 6 4 6 sinal de maiúscula em todas as letras da palavra
2 5 4 6 4 6 sinal de série de palavras com todas as letras maiúsculas
5 sinal de minúscula latina; sinal especial de translineação de
expressões matemáticas
5 6 sinal restituidor de significado original de um símbolo Braille
3 4 5 6 sinal de número
1 6 sinal de expoente ou índice superior
3 4 sinal de índice inferior
3 5 sinal de itálico, negrito ou sublinhado
5 2 5 sinal de transpaginação
1 5 6 arroba
5 2 sinal delimitador de conteúdo informático

Brasília, outubro de 2002.


Marilene Ribeiro dos santos (pela comissão brasileira do Braille CBB)
 


INSTITUTO PADRE CHICO

75 anos de dedIcação (1928-2003)


FUNDAÇÃO DORINA NOWILL

Duas formas diferentes de navegar: versão gráfica e a versão em texto com maior contraste destinada para pessoas que possuem baixa visão.


LARAMARA-ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO DEFICIENTE VISUAL

O site esta sendo reformulado; em breve será disponibilizada a nova versão. Para conhecer mais a organização clique no título acima.
 


REVISTA "POLIEDRO"

Quase 50 anos de vida de uma revista diferente. Diferente pelo seu conteúdo, diferente pelos seu formato e invulgar pela sua longevidade. Primeiro artigo publicado na revista em setembro de 1956, escrito por Albuquerque e Castro.


CESEC- CENTRO DE EMANCIPAÇÃO SOCIAL E ESPORTIVA DE CEGOS

Um espaço virtual precioso; vale a pena conferir.


ADEVA- ASSOCIAÇÃO DE DEFICIENTES VISUAIS E AMIGOS

MISSÃO
 

Promover a inclusão do deficiente visual na sociedade por meio de uma educação    global integrada e de sua capacitação, reciclagem profissional e inserção no mercado    de trabalho, preparando-o para o pleno exercício da cidadania.

VISÃO
 

Constituir-se em um modelo de referência nacional na oferta de oportunidades de    educação, informação e profissionalização para os deficientes visuais no País.


Louis Braille e seu Alfabeto

Páginas da WEB Acessíveis a Cegos. Acessibilidade. (Aula)

 

BENGALA LEGAL

Curso de HTML para deficientes visuais (aulas e dicas)

 

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Páginas na WEB destinadas aos deficientes visuais não são, evidentemente, nenhuma novidade; trabalhos maravilhosos, projetos como o DOSVOX são  transcendentais. Como informação, o DOSVOX é um sistema de síntese de voz, em português, desenvolvido pelo Núcleo de Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro. De acordo com informações, atualmente o projeto conta com mais de 2.000 usuários espalhados pelo Brasil. Todavia, nós do Almanaque "Pridie Kalendas", ainda somos neófitos nesse assunto, porém, aprendendo com todos vocês, temos certeza absoluta que desenvolveremos mais um espaço muito importante para todos nós.

Contamos com o seu apoio!

COMO LIDAR CONOSCO

Sugestões para quando você encontrar uma pessoa com deficiência.

Faça isso e você verá o quanto é importante e enriquecedor aprendermos a conviver com a diversidade!
Muitas pessoas não deficientes ficam confusas quando encontram uma pessoa com deficiência. Isso é natural. Todos nós podemos nos sentir desconfortáveis diante do "diferente". Esse desconforto diminui e pode até mesmo desaparecer quando existem muitas oportunidades de convivência entre pessoas deficientes e não deficientes.
Não faça de conta que a deficiência não existe. Se você se relacionar com uma pessoa deficiente como se ela não tivesse uma deficiência, você vai estar ignorando uma característica muito importante dela. Dessa forma, você não estará se relacionando com ela, mas com outra pessoa, uma que você inventou, que não é real. Aceite a deficiência. Ela existe e você precisa levá-la na sua devida consideração. Não subestime as possibilidades, nem superestime as dificuldades e vice-versa. As pessoas com deficiência têm o direito, podem e querem tomar suas próprias decisões e assumir a responsabilidade por suas escolhas. Ter uma deficiência não faz com que uma pessoa seja melhor ou pior do que uma pessoa não deficiente.
Provavelmente, por causa da deficiência, essa pessoa pode ter dificuldade para realizar algumas atividades e, por outro lado, poderá ter extrema habilidade para fazer outras coisas. Exatamente como todo mundo.
A maioria das pessoas com deficiência não se importa de responder a perguntas, principalmente aquelas feitas por crianças, a respeito da sua deficiência e como ela realiza algumas tarefas. Mas, se você não tem muita intimidade com a pessoa, evite fazer muitas perguntas muito íntimas. Quando quiser alguma informação de uma pessoa deficiente, dirija-se diretamente a ela e não a seus acompanhantes ou intérpretes. Sempre que quiser ajudar, ofereça ajuda. Sempre espere sua oferta ser aceita, antes de ajudar. Sempre pergunte a forma mais adequada para fazê-lo.
Mas não se ofenda se seu oferecimento for recusado. Pois, nem sempre, as pessoas com deficiência precisam de auxílio. Às vezes, uma determinada atividade pode ser mais bem desenvolvida sem assistência.
Se você não se sentir confortável ou seguro para fazer alguma coisa solicitada por uma pessoa deficiente, sinta-se livre para recusar. Neste caso, seria conveniente procurar outra pessoa que possa ajudar. As pessoas com deficiência são pessoas como você. Têm os mesmos direitos, os mesmos sentimentos, os mesmos receios, os mesmos sonhos.
Você não deve ter receio de fazer ou dizer alguma coisa errada. Aja com naturalidade e tudo vai dar certo.
Se ocorrer alguma situação embaraçosa, uma boa dose de delicadeza, sinceridade e bom humor nunca falham.

PESSOAS CEGAS OU COM DEFICIÊNCIA VISUAL

Nem sempre as pessoas cegas ou com deficiência visual precisam de ajuda, mas se encontrar alguma que pareça estar em dificuldades, identifique-se, faça-a perceber que você está falando com ela, para isso pode por exemplo tocar-lhe levemente no braço, e ofereça seu auxílio. Nunca ajude sem perguntar antes como deve fazê-lo.
Caso sua ajuda como guia seja aceita, coloque a mão da pessoa no seu cotovelo dobrado. Ela irá acompanhar o movimento do seu corpo enquanto você vai andando.
É sempre bom você avisar, antecipadamente, a existência de degraus, pisos escorregadios, buracos e obstáculos em geral durante o trajeto. Num corredor estreito, por onde só é possível passar uma pessoa, coloque o seu braço para trás, de modo que a pessoa cega possa continuar seguindo você. Para ajudar uma pessoa cega a sentar-se, você deve guiá-la até a cadeira e colocar a mão dela sobre o encosto da cadeira, informando se esta tem braço ou não. Deixe que a pessoa sente-se sozinha. Ao explicar direções para uma pessoa cega, seja o mais claro e específico possível, de preferência, indique as distâncias em metros ("uns vinte metros
a sua frente"). Algumas pessoas, sem perceber, falam em tom de voz mais alto quando conversam com pessoas cegas. A menos que a pessoa tenha, também, uma deficiência auditiva que justifique isso, não faz nenhum sentido gritar. Fale em tom de voz normal.
Por mais tentador que seja acariciar um cão-guia, lembre-se de que esses cães têm a responsabilidade de guiar um dono que não enxerga. O cão nunca
deve ser distraído do seu dever de guia. As pessoas cegas ou com visão sub normal são como você, só que não enxergam. Trate-as com o mesmo respeito e consideração que você trata todas as pessoas. No convívio social ou profissional, não exclua as pessoas com deficiência visual das atividades normais. Deixe que elas decidam como podem ou querem participar.
Proporcione às pessoas cegas ou com deficiência visual a mesma chance que você tem de ter sucesso ou de falhar.
Fique a vontade para usar palavras como "veja" e "olhe". As pessoas cegas as usam com naturalidade.
Quando for embora, avise sempre o deficiente visual.

Lembre-se que nem sempre um cego é colega de outro cego

fONTE:

www.prodam.sp.gov.br/acess/

FALE CONOSCO

Site desenvolvido por PDJ
Última atualização: 31 de março de 2003