ALMANAQUE PRIDIE KALENDAS APRESENTA

 Construa um Calendário Permanente

 


 


CALENDÁRIO PERMANENTE PANORÂMICO (CAPEPA) - Carta Patente MU 7702949-6

É com a maior satisfação que estamos disponibilizando, para uso não comercial,  os formulários para a montagem manual de um calendário permanente. Os gabaritos originais, digitalizados nesta oportunidade, foram projetados com o rigor exigido nas circunstancias e foram amplamente testados. O Almanaque Pridie Kalendas não se responsabiliza por erros milimétricos que possam ocorrer na copia dos mesmos. As figuras estão no padrão jpg.

CARTELA FRONTAL

 

Obs: As quatro tiras entre o nome dos meses e os respectivos dias devem ser cortadas usando um estilete (preferível). Da mesma forma, o espaço do CALENDÁRIO TIPO     TC, e o espaço da VISÃO APENAS PARCIAL DE 1996 A 2023 .

A cartela interna que veremos a seguir desliza por dentro da figura ao lado projetando por entre essas janelas(depois dos 4 cortes) o gabarito do ano. As tiras laterais e a inferior deverão ser dobradas e coladas de preferência em uma cartolina. Depois de montada teremos fisicamente uma semelhança com um envelope (envelope frontal). Por limitações apenas tipográficas, o modelo apresentado possibilita a visualização física de 28 anos, ou seja, de 1996 a 2023. Caso queira perpetuar o calendário, as instruções completas aparecem mais adiante. Por convenção, o calendário gregoriano (civil) que praticamente o mundo todo utiliza é formado de 14 tipos, sendo 7 para os anos considerados comuns e 7, para os considerados bissextos. Quando o ano for bissexto (TC 8 a 14), no envelope frontal, devemos considerar o dia 29 como seqüência natural.

 

CARTELA INTERNA

Na montagem, as duas cartelas laterais( Gabarito Padrão) deverão ser uma só, ou seja, coladas simetricamente do lado sem impressões, formando duas faces; a primeira com os anos (TC) de 1 a 8, considerados comuns, e na outra face os anos (TC) de 8 a 14 para os anos considerados bissextos. Para deixar o Gabarito Padrão mais espesso, pode-se optar por uma outra folha no meio das cartelas.

Caso opte por esse artifício, não esqueça de deixar na cartela frontal (acima),na parte traseira, uma folga compatível.

Folga essa que permitirá ao Gabarito Padrão deslizar por entre o envelope sem que seja forçado

 

(TC) Tipo de Calendário

 

Conforme é de conhecimento geral, a base do calendário atual (civil) ou calendário gregoriano, foi introduzido por Julio César no ano 45 a.C, sendo que no ano de 1582 foram realizadas pequenas modificações, as quais prevalecem até hoje, verificando-se que há mais de 2.000 anos convive-se com um tipo de calendário que oferece deficiências quanto a sua simetria. O Calendário Permanente Panorâmico (Capepa) tem como finalidade primordial e característica indispensável, a capacidade de ser permanente, seja em retrospectivas, no presente ou em épocas futuras, bem como possibilitar a visualização do ano procurado na sua totalidade, sendo sua serventia principal a de auxiliar o usuário no acompanhamento e desenvolvimento, dia a dia, mês a mês, do ano corrente e como serventia secundária, auxiliar em pesquisas de anos passados, atuais ou futuros.

O Capepa, cuja versão apresentada representa uma disposição de apenas 28 anos, poderá ser perpetuado com o auxilio da tabela abaixo.

O Capepa está estruturado numa disposição clássica vulgarmente conhecida como cartela, a qual tem formato de envelope ou invólucro e em cujo interior desliza-se um formulário com informações dos dias da semana.

 

Embora inédita na forma, a tabela ao lado estrutura-se na clássica disposição coluna/linha; as três cores servem para dividir a figura nas seguintes classificações:

A) Verde:- anos do calendário juliano;

B) Amarela:- anos do calendário gregoriano;

C) Azul claro:- excluindo-se as unidades das datas impressas em itálico, todos os 14 tipos ou formulas de calendários (TC), definem o espaço que o usuário deverá posicionar a seta do mouse para efetuar o clique e ser conduzido a figura do ano pesquisado, englobando os 12 meses anuais.

Exemplos: Tipo de Calendário - cor azul (TC)

A) CALENDÁRIO JULIANO (COR VERDE)

Ano 700 (TC 12); ano 760 (TC 10); ano 1021 (TC 1); ano 1568 (TC 12).

B) CALENDÁRIO GREGORIANO (COR AMARELA)

Ano 1900 (TC 2); ano 1950 (TC 1); ano 1954 (TC 6); ano 2000 (TC 14); ano 2004 (TC 12); ano 2044 (TC 13).

 

RESSALVAS

A) Por questões estéticas, consideramos na tabela acima, parte verde referente ao calendário Juliano, possibilidade de pesquisar a partir do ano 0, todavia, embora que o calendário Juliano tenha sido adotado em 45 antes de Cristo, apenas no ano 321 os dias da semana, como estamos acostumados, foram realmente introduzidos, constituindo-se um equivoco associar dias da semana aos anos anteriores. Em assim sendo, o ano 321 (conforme tabela) refere-se ao TC 1, ou seja, um ano comum de 365 dias, com o início (dia primeiro) em um domingo.
B) Com absoluta razão, um questionamento poderá ser feito: se o calendário gregoriano reformulou o calendário Juliano em 1582, qual o motivo da tabela acima (local verde), possibilitar pesquisas em anos posteriores?

A ACEITAÇÃO DO SISTEMA GREGORIANO FOI UM OSSO DURO DE ROER

Por vários motivos, o calendário gregoriano não foi aceito por unanimidade.

Os historiadores, em geral,  insistem em afirmar que a não adoção prontamente do sistema Gregoriano, ou como ficou conhecido, Novo Estilo, em contrate com o Velho Estilo, do sistema Juliano, foi por motivos políticos e religiosos.

A bem da verdade, para alguns países não católicos, o Novo Estilo era extremamente "indigesto", mas em contrapartida, a contrariedade operacional de uma mudança, se mostrava, para muitos,  impraticável.

Imaginem os senhores, se atualmente, nos tirassem 10 dos nossos dias.

Os paladinos da justiça, sindicalistas, banqueiros, corretores de seguros, etc., simplesmente pediriam a cabeça do governo; esse por sua vez, eliminaria dos seus orçamentos já cambaleantes, a resultante desses dias sem impostos?

E, convenhamos, guardando-se as devidas proporções, foi mais ou menos isso que aconteceu. Em vários países, manifestações substanciais foram feitas, principalmente com o povo reclamando aos gritos:

DEVOLVAM-NOS NOSSOS  10 DIAS

Do ponto de vista sistêmico, para aqueles paises cujo Estilo do calendário era semelhante, até que a coisa não ficou muito complicada; todavia, para países como a Inglaterra e colônias (naquele tempo também os EE.UU), os procedimentos não foram muito fáceis, pois os seus calendários, seguiam o Estilo de iniciar o ano, invariavelmente, em 25 de março.

Esse mudança sistêmica, acarretou na supressão de nada menos do que 84 dias no ano de 1752, o que convenhamos, deve ter sido tarefa hercúlea para a sociedade como um todo.

Vamos a uma projeção da ocorrência:

DEMONSTRAÇÃO DA PASSAGEM DO CALENDÁRIO JULIANO PARA O GREGORIANO (1752) NA INGLATERRA E COLÔNIAS (INCLUSIVE OS EE.UU)

 

A) PARÂMETROS BÁSICOS S/ O CALENDÁRIO NA INGLATERRA E COLÔNIAS, EM 1582

O ano iniciava em 25 de março

B) DIFERENÇA OU DEFASAGEM EM DIAS DO CALENDÁRIO JULIANO PARA O GREGORIANO

Por ocasião da reforma gregoriana, em 1582, a defasagem era de 10 dias;

Em 1752, quase 170 após a reforma, a defasagem já era de 11 dias.

C) COMO A INGLATERRA COBRAVA OS SEUS IMPOSTOS
Eram cobrados tradicionalmente de 6 de abril de um ano, até 5 do próximo
D) ESCOLHA DA OCASIÃO DE INTRODUZIR A REFORMA
Entre os anos de 1751 e 1752, voltado o ano a ter o seu início em primeiro de janeiro
E) DEMONSTRAÇÃO DE COMO A REFORMA FOI FEITA 
O ano de 1751 teve o seu início em 25 de março; encerrando-se porém, em 31 de dezembro (Terça). Esse procedimento fez de 1751 um ano de 282 dias, suprimindo-se 84 dias(31 dias que seria janeiro de 1751, 29 dias fevereiro e os 24 dias de março do que seria 1751);
O ano de 1752 teve o seu início em primeiro de janeiro (quarta), tendo a seqüência normal;
A supressão dos 11 dias ocorreu em setembro/1752, como segue abaixo:
Dia primeiro- terça- feira
Dia 2- quarta-feira
Dia 14 - quinta-feira
Nesse momento, igualou-se com o Estilo Gregoriano
Dia 15- sexta-feira
 assim por diante
PRINCIPAIS PAÍSES QUE ADERIRAM AO CALENDÁRIO GREGORIANO

(O calendário gregoriano foi editado em 24/02/1582 através de Bula Pontifícia; deu-se um tempo de 8 meses para adaptação ao novo estilo que aconteceria em 4/10/1582. O dia seguinte não seria 5, mas 15 de outubro de 1582)

Espanha, Portugal e Brasil:- o dia seguinte da quinta-feira, 4/10/1582, foi sexta-feira, 15 de outubro
França de Henrique III:- o dia seguinte ao 9 de dezembro foi 20 de dezembro
Países Baixos Católicos:- escolheu-se decretar que o dia seguinte de 14/02 fosse Natal
Estados Católicos da Suíça e da Alemanha:- aceitaram a reforma em 1584
Polônia e parte da Itália:- na data 5/10/1582
Inglaterra:- 1752
Japão:- 1783
Rússia:-1918
Turquia:- 1917
Dinamarca:- 1652
Estados Protestantes da Alemanha e da Holanda:- 1699
Suécia:- 1753 (Inclusive Finlândia)
China:- 1911
Bulgária:- 1915
Suíça:- adotou provisoriamente em 22/01/1584 e oficialmente em 1812
Alaska:- usava o calendário juliano quando pertencia à Rússia e o gregoriano, quando transformou-se em propriedade dos EEUU. Em 1867, 11 dias foram abolidos ao invés do usual 12, para o século 19. Tal procedimento, para equacionar o dia extra suprido pela linha de mudança de data internacional, da Rússia para os EEUU
Egito:- para efeitos civis, 1873
França:- 1/01/1806
Prússia:- 1775

Historiadores,tabeliães, colecionadores, principalmente de moedas, selos, cartas, cartões postais, etc., devem conciliar os períodos envolvidos, sob pena de certificarem os seus documentos com imprecisão. 

Finalizando, dois países França e Rússia, tiveram em seus calendários mudanças substanciais e, nas páginas Calendários Revolucionários abriremos um amplo espaço para discuti-los.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Tanto o calendário gregoriano (atual) como o juliano baseiam-se em 14 tipos de calendários ou gabaritos.

O Calendário Permanente Panorâmico (CAPEPA), por sua vez, baseia-se em apenas 1 gabarito padrão, quando destina-se aos modelos de 7 anos e, 2 gabaritos (frente e verso) quando a abrangência é maior do que 7 anos até perpetuarem-se, aliás, características que os tornam, em calendários impressos, utilizando-se de cartolina, praticamente imbatíveis.

A bem da verdade, a diferença desses dois gabaritos é única e exclusivamente no mês de fevereiro, ou seja, para os anos considerados comum, 28 dias e, para os bissextos, 29 dias.

A sutileza, da contribuição de melhoria sistêmica, está em induzir o usuário, fazer deslizar uma cartela interna, procurando por um dos 14 tipos de calendários (TC), flexionando-se, nas respectivas aberturas, ou "janelas", os primeiros nomes dos dias das semanas.

Evidentemente, a correspondência lógica dos dias da semana, visualizados na parte frontal da cartela, provocados pelo deslizamento do encaixe interno, não é fruto do acaso; perpetua-se em função do "mascaramento" de uma matriz de 7 linhas, mantida em todos os meses, fazendo-se com que a linha dos 7 dias semanais, fluam harmonicamente.

Essa matriz, mantendo uma estética do calendário, fica dissimulada pela linha do cabeçalho dos meses, pela linha da "janela", por onde traspassam as letras semanais e, finalmente, pelas 5 linhas dos dias mensais, perfazendo um total de 7 linhas.

É necessário salientar que a disposição dos dias, nos respectivos meses, alinhados sempre pela esquerda, representam apenas um posicionamento estético e não, um procedimento imperioso, limitando a contribuição de melhoria a uma só fórmula; o método aceita outras disposições estéticas (também com os direitos adquiridos).

Nos modelos que abrangem poucos anos (mínimo 7, máximo 100), para orientar os usuários, os anos são impressos na cartela interna, traspassando visualmente através de janelas apropriadas, para a cartela externa; poderíamos colocar mais anos, porém, esse acúmulo prejudicaria a estética do modelo e, provavelmente, poderia confundir seu manipulador.

Outrossim, a potencialidade global do projeto está na sua plurianualidade, ou capacidade de perpetuar os dois sistemas envolvidos, o juliano e o gregoriano.

Para que isso fosse possível, trabalhamos intensivamente no desenvolvimento de uma tabela que fosse ao mesmo tempo sintética e abrangente para os dois estilos em epígrafe (tabela acima).

Aliás, muitas são as tabelas que rotulam-se como permanentes; na maioria delas, mediante vários cálculos, invariavelmente nos conduzem ao dia da semana do ano e mês pesquisado.

Mesmo no âmbito da Internet, não encontramos tabelas consistentes, as quais pudessem nos orientar de maneira objetiva.

Como material auxiliar, para sermos coerentes e justos com nossos leitores, duas publicações americanas suplantaram tais expectativas, à saber:

Uma delas, um Bestseller no seu gênero, o The World Amanac (And Book of Facts), Copyright da Pharos Books, apresentando todos os 14 tipos de calendários que o sistema gregoriano necessita; não há porém uma tabela permanente especifica, nem para o estilo atual, muito menos para o juliano.

Em contrapartida, num espécie de livrete (47 folhas), da Tarquin Publications, de Magdalen Bear, intitulado Days, Months & Years (A perpetual calendar for the past, present and future), um trabalho realmente espetacular que recomendo a todos que possam ter tal oportunidade; ao lado de cada página, representando um dos 14 gabaritos ou anos completos, são relacionados os respectivos anos de 1753 a 2099.

Para perpetuar o calendário gregoriano, a autora apresenta 4 tabelas muito bem elaboradas, nas quais, ao invés de numerar seqüencialmente os gabaritos, de 1 a 14, trabalha com apenas com as iniciais dos 7 dias da semana; uma bolinha preta ao lado das iniciais dos dias da semana, indicam ser um gabarito de um ano bissexto.

Complementando, para perpetuar o calendário Juliano, a autora, com muita perspicácia aritmética, utiliza-se de uma tabela , justapondo os dias da semana (cada um dos gabaritos), ao resto da divisão por 28 , representando o ciclo do calendário; o pesquisador, ao dividir o ano por 28 , obtendo o resto aproximado, apenas tem o trabalho de localizar seu correspondente na tabela e localizar o gabarito do ano procurado.

Exemplo:

                           Seqüência do ciclo 0      resto 0,000 (0/28)  =  Terça bissexto (primeiro dia do ano)

                           Seqüência do ciclo 1      resto 0,035 (1/28)  =  Sábado                                                                

                           Seqüência do ciclo 2      resto 0,071 (2/28)  =  Domingo

                                                                     ...

                           Seqüência do ciclo 27     resto 0,964 (27/28)  = Quarta-feira

  Dessa forma, o ano 1427 (1427/28=0,964) teve o seu inicio em uma quarta-feira de um ano comum.

Embora complementares entre si , porém ainda insuficientes para o que precisava, essas duas publicações foram muito importantes, no que somos eternamente gratos..

O passo seguinte foi delinear pontos comuns entre os dois sistemas até conseguirmos uma tabela extremamente condensada  e o melhor, prática, dando real consistência ao projeto como um todo.

 


Voltar