ALMANAQUE "PRIDIE KALENDAS"

Calendário Judaico Permanente (Cajupe)

PARTICULARIDADES DO CALENDÁRIO JUDAICO

O calendário judaico, sem dúvida alguma, é um dos sistemas de mensuração do tempo, mais antigo e de maior precisão existente.

Na verdade, sem entrarmos em sutilezas técnicas, podemos afirmar que o calendário judaico abrange três aspectos: o civil, o religioso e o astronômico.

O civil, quando harmoniza-se com o calendário gregoriano, o religioso quando exige normas rígidas para o começo e, conseqüentemente, término do ano e, finalmente, o cíclico para harmonizar os meses lunares com a revolução trópica do Sol.

Obviamente, deduz-se que tanto a confecção do calendário como a sua manipulação, mesmo para o especialista (calendarista), não é tarefa das mais simples.

Felizmente, por mais paradoxal que possa parecer, conhecendo-se os pormenores, sutilezas operacionais e delimitações religiosas, poderemos constatar ser o sistema de uma compreensão relativamente simples, senão vejamos:

OS SEIS PARADIGMAS DO CALENDÁRIO

O ano compõe-se de 12 ou 13 meses, contendo 29 ou 30 dias;

Quando o ano é comum, com 12 meses, chama-se P’SHUTÓT e, quando embolísmico, com 13 meses, M’UBAROT.

Grosso modo, o paradigma para todas as fórmulas de calendários judaicos, estrutura-se em 6 tipos; 3 para os chamados anos comuns, com 353, 354 e 355 dias e, 3 para os embolísmicos, com 383, 384 e 385 dias.

A totalização dos meses, mantém uma padronagem a saber:

Os meses de Cheshvan, Kislev e Adar, flexionam-se em 29 ou 30 dias e os meses relacionados abaixo, permanecem fixos:

Tishrei com 30 dias

Tevet " 29 "

Shevat " 30 "

Adar II " 29 "

Nissan " 30 "

Iyar " 29 "

Sivan " 30 "

Tamuz " 29 "

Av " 30 "

Elul " 29 "

 OS CICLOS ( MACHZORIM) DO CALENDÁRIO

Antes do Rabino Hillel II, denominado o último patriarca, provavelmente por volta de 360 da era comum, a Lua Nova era proclamada pelo Sinhedrim, após o depoimento visual de duas testemunhas.

Após Hillel II, estabeleceu-se um padrão, mantido até nossos dias.

Para conciliar a diferença natural entre os ciclos do Sol e da Lua, intercala-se um mês, sete vezes, em cada conjunto de 19 anos, na seguinte ordem:

3, 6, 8, 11, 14, 17 e 19 anos.

Por sua vez, a quantidade de dias, em cada ciclo de 19 anos, compõe-se de 6.939, 6.940 ou 6.941 dias.

A alternância dos 6 tipos de calendários, ao longo dos 19 anos, em cada ciclo, são funções das fixações das datas festivas e, conseqüentes restrições religiosas.

O procedimento de maior magnitude e balizador dos demais encaixes das fixações no calendário é o estabelecimento do Primeiro de Tishrei (Rosh Hashaná); para isso, há de se conhecer o Molád (conjunção ou novilúnio ) com precisão, geralmente determinado pelas efemérides astronômicas (*).

(*) O Mólad corresponde a 29,5305941358 dias médios;

Estabelecido o instante preciso do fenômeno (dia, hora e respectiva fração ) o Primeiro de Tishrei (primeiro dia do ano civil) é fixado.

Correspondendo-se, porém, com o calendário gregoriano, esse primeiro dia, jamais poderá cair num Domingo, Quarta ou Sexta-feira; caso isso aconteça, o Primeiro de Tishrei será prorrogado, respectivamente, para Segunda, Quinta ou Sábado.

Por sua vez, mesmo na hipótese do Molád cair em dias exeqüíveis, porém, após o meio-dia, o Primeiro de Tishrei é transferido para o dia após o dia seguinte.

Outra data importante, o 10 de Tishrei (Yom Kipur), por sua vez, não poderá incidir numa Terça, Sexta ou Domingo.

Quanto a Hoshaná Rabá (Grande Hosana), no dia 21 de Tishrei, não poderá incidir numa Terça, Quinta ou Sábado.

Felizmente, respeitando-se a fixação do primeiro dia do ano civil em segundas, terças, quintas ou sábados, os dias 10 de Tishrei, cairão automaticamente nos dias da semana, quartas, quintas, sábados e segundas; por sua vez, o dia 21, nos domingos, segundas quartas ou sextas.

CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DO CALENDÁRIO JUDAICO PERMANENTE

Basicamente, o "Cajupe" é formado por duas peças, uma externa e outra interna; a peça externa, em forma de envelope, com abertura dos dois lados, proporciona aos usuários, deslocar por seu interior, uma cartela que denominamos de interna.

Nas faces da cartela externa (frente e verso) estão impressos, de um lado a matriz completa das três fórmulas do calendário judaico (A- anos simples de 12 meses), do outro lado, as outras três fórmulas (B-anos embolísmicos de 13 meses), posicionados verticalmente, identificados pelas letras: c, d, e, como podemos observar nas figuras miniaturizadas abaixo:

As dimensões aproximadas da cartela externa são: 27,5 cm X 21,5 cm.

Para maior durabilidade da cartela externa, é aplicado uma película protetora (plastificação).

Nas partes superiores da cartela externa, posicionam-se as tiras corrediças representando os dias da semana do sistema gregoriano:

(uma de cada lado da cartela externa)

Finalmente, por entre a cartela externa desliza uma outra cartela interna (impressa em ambos os lados) que ao traspassar através dos cortes (janelas) da cartela externa, possibilita ao usuário a verificação do correspondente mês gregoriano (conciliação).

A seguir, em 4 figuras reduzidas, demonstramos a diagramação do Cajupe.

CONCLUSÃO

Na seção História dos Calendários, aprofundamos detalhadamente nas particularidades sistêmicas e históricas do calendário judaico.

Num simulado, estruturado na sistemática do Cajupe, apresentamos o ano corrente completo, devidamente conciliado com o calendário gregoriano >>>


Voltar